Texto principal
logotipo do visibilidade.net: Visibilidade.net, estar presente na web não basta Inscreva-se para receber na sua caixa de correio electrónico novidades do Visibilidade.net.
 

  » Início

  » Artigos

  » Contactos

  » Divertimento

  » Glossário

  » Notícias

  » Perguntas frequentes

  » Sobre

  » Utilidades
   » Subscrição

  » Siga-nos no Facebook

Início > Artigos > Factos acerca do uso da Internet em Portugal segundo a OCDE

Factos acerca do uso da Internet e Web em Portugal segundo a OCDE

Resumo:

O uso da Internet tem crescido nos últimos anos e as pessoas usam-na no seu dia-a-dia. No entanto, Portugal encontra-se abaixo da média dos países da OCDE, para a maioria dos indicadores respeitantes à utilização da Web.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) é uma organização internacional de 30 países que no seu conjunto produzem mais de metade da riqueza mundial. Portugal foi membro fundador da OCDE em 1960.

Em Junho de 2008 a OCDE emitiu um estudo intitulado The Future of the Internet Economy: A Statistical Profile, onde analisa diversos indicadores de desenvolvimento em relação à utilização da Internet.

O estudo conclui que no geral, o uso da Internet está a crescer principalmente devido à banalização da banda larga.

O estilo de vida das pessoas está a mudar e estas cada vez mais usam a Internet para executar as suas tarefas quotidianas. No entanto, testemunhou-se uma escassa utilização da Internet por parte de pessoas idosas, com baixos rendimentos ou baixa educação.

O volume de negócios feitos através da Internet tem crescido, mas as preocupações com segurança e privacidade coíbem uma parte significativa dos utilizadores de fazerem compras online.

A realidade portuguesa

Em seguida apresenta-se uma análise de alguns resultados relativos a Portugal apresentados no estudo citado anteriormente, focando principalmente aspectos relacionados com a utilização da Web.

No documento original, os resultados são apresentados como listas ordenadas de países para cada indicador. Contudo, é importante perceber a que distância se encontra Portugal em relação à média dos países da OCDE. Estar em primeiro ou em último lugar num dado indicador, por si só, poderá não ser suficiente para tirar conclusões. Pode-se ocupar a última posição de uma lista mas estar a poucos pontos percentuais do primeiro classificado.

Os resultados completos em formato Excel podem ser obtidos clicando nas ligações para cada indicador.

Acesso à Internet

Tabela 1. Comparação entre o acesso à Internet em Portugal e a média dos países da OCDE (2007).
Indicador % em Portugal % média dos países da OCDE Diferença
Lares com acesso à Internet 39,6% 58% -18,4%
Negócios com mais de 10 empregados com acesso à Internet 89,7% 95% -5,3%
Subscrições de banda larga por cada 100 habitantes 14,4% 20% -5,6%

Os resultados da Tabela 1 mostram que Portugal se encontra abaixo da média dos países da OCDE no que diz respeito ao acesso à Internet em casa.

Contudo, a grande maioria das empresas com mais de 10 trabalhadores está ligada à Internet e no geral existe uma boa difusão do acesso em banda larga.

Utilização da Web

Tabela 2. Comparação entre a utilização da Internet em Portugal e a média dos países da OCDE (2007).
Indicador % em Portugal % média dos países da OCDE Diferença
Utilizadores que criaram páginas na Web (página 15 do estudo) ~17% 18% -1%
Utilização de governo electrónico 19,4% 32% -12,6%
Utilização de banco electrónico 11,7% 31,1% -19,4%
Utilização de comércio electrónico 5,8% 26,1% -20,3%
Empresas com sítio web 42% 67,1% -25,1%

A Tabela 2 mostra que o comportamento dos utilizadores portugueses em relação à publicação de conteúdos na Web é semelhante à média da OCDE.

Contudo, os portugueses são bastante mais renitentes em relação à utilização de serviços web de banca e comércio electrónico.

No entanto, é preocupante verificar que apenas 42% das empresas portuguesas têm um sítio web, enquanto que a média na OCDE é de 67,1%. Neste indicador Portugal ocupa o último lugar da lista.

Consequentemente, as empresas portuguesas acabam por ser compradoras em vez de vendedoras através da Internet. Em 2007, 12% das empresas portuguesas compraram através da Internet e 9% realizaram vendas por este meio.

Caracterização dos utilizadores

Tabela 3. Comparação entre utilizadores da Web distribuídos por sexo em Portugal e em média nos países da OCDE (2007).
Indicador % em Portugal % média nos países da OCDE
Homens utilizadores da Internet 46,3% 68,7%
Mulheres utilizadoras da Internet 38,1% 63,2%
Diferença entre homens e mulheres +10,7% +4,42%

Tabela 4. Utilizadores da Internet portugueses distribuídos por nível de escolaridade (2005).
Nível de educação %
Baixa 18,9%
Média 81,7%
Superior 88,7%

A Tabela 3 mostra que em Portugal, existem significativamente mais homens a utilizar a Internet do que mulheres. Em média na OCDE esta diferença é pequena.

A Tabela 4 evidencia um abrupto desnível entre o acesso à Internet por parte de pessoas com baixa escolaridade e com média/alta escolaridade. Tendo estes dados sido obtidos em 2005, esperemos que a situação se tenha alterado entretanto.

Conclusões

No geral, Portugal está bem posicionado no que diz respeito ao acesso à Internet. No entanto, o uso desta ferramenta de comunicação ainda não se encontra banalizado por todos os estratos da sociedade.

Por outro lado, os resultados apresentados sugerem que as empresas e cidadãos portugueses retiram relativamente pouco partido das potencialidades da Web.

A percentagem de utilizadores portugueses que criaram conteúdos na Web difere em apenas 1% da média da OCDE. Conclui-se assim, que o utilizadores portugueses são tão capaz de produzir conteúdos para a Web como os dos restantes países. Contudo, a percentagem de empresas portuguesas que têm um sítio na Web diverge muito da média dos países da OCDE.

Pergunto-me, se os utilizadores portugueses são capazes de publicar na Web individualmente porque é que as empresas portuguesas não o são?

Só me ocorre a justificação de que os gestores das empresas portuguesas não estão ainda sensibilizados para a importância destas serem visíveis na Web.

Os resultados sugerem que em Portugal atingiu-se um ponto em que já se usa frequentemente a Internet para comunicar informação mas ainda não se explorou devidamente o potencial da Web.

Finalmente, o facto de Portugal ocupar posições abaixo da média na maioria dos indicadores não deve ser interpretado de forma muito depreciativa, uma vez que se tratam dos 30 países que produzem mais de metade da riqueza mundial.

Bibliografia

OECD Ministerial Meeting on the Future of the Internet Economy: A Statistical Profile, 17-18 de Junho de 2008, Seoul, Coreia.

Artigos relacionados

5 de Janeiro de 2009

/Daniel Gomes

SocialTwist Tell-a-Friend
Página com ligações robustecidas pelo Arquivo.pt.