Texto principal
logotipo do visibilidade.net: Visibilidade.net, estar presente na web não basta Inscreva-se para receber na sua caixa de correio electrónico novidades do Visibilidade.net.
 

  » Início

  » Artigos

  » Contactos

  » Divertimento

  » Glossário

  » Notícias

  » Perguntas frequentes

  » Sobre

  » Utilidades
   » Subscrição

  » Facebook

Início > Noticias sobre a web

Notícias sobre a Web

Esta secção já não é actualizada.

Esta página destina-se a divulgar informações relacionadas com publicação na web, tais como, web design, usabilidade, acessibilidade e motores de busca.

  • Este artigo de investigadores da IBM recomenda 3 princípios fundamentais para o desenho de sistemas usáveis: foco nos utilizadores desde o início; medições empíricas e desenho iterativo. Hoje em dia, será que estas recomendações são seguidas na maioria dos projectos? O artigo foi publicado em 1985.

  • Interfaces de utilização do futuro: sem teclados nem ecrãs.

  • Uma apresentação muito divertida acerca do sucesso do culto da simplicidade na tecnologia.
  • A empresa Opera lançou um navegador comando por movimentos faciais. Sendo um vídeo engraçado de ver, esta tecnologia poderá ser utilizada para desenvolver interfaces de utilização que melhorem a qualidade de vida de pessoas com mobilidade muito reduzida, como acamados ou tetraplégicos.
  • Nova Iorque, EUA, cidade das mais desenvolvidas do mundo e com maior número de utilizadores da Web. Menos de 8% dos entrevistados sabiam o que era um browser. É melhor pensar 3 vezes antes de introdzir algo "inovador" no seu sítio web.

  • O Arquivo da Web Portuguesa abriu uma vaga para um colaborador com conhecimentos de Java e usabilidade na web. A data limite para aceitação de candidaturas é dia 2 de Março de 2009.

  • O Doodle é um serviço simples que ajuda na marcação de encontros, como reuniões ou jantares de grupo. É possível criar uma lista de pessoas que vão confirmando a sua presença ou indicando as suas preferências. Experimente!
  • Segundo um estudo realizado em 2005 no Reino Unido, o poder de compra total das pessoas com deficiência ascende a 120 mil milhões de libras por ano (132 mil milhões de euros). O que quer dizer que um sítio web com problemas de acessibilidade podem estar a perder muito dinheiro.
  • Quando encontramos uma página interessante onde gostaríamos de voltar mais tarde, o que fazemos? Adicionamos aos Favoritos. O problema é que muitas vezes quando voltamos ao endereço guardado a página já não existe. O Iterasi é um novo serviço que permite guardar o endereço e também o conteúdo da página. É gratuito, as páginas são guardadas nos computadores do serviço e os utilizadores só necessitam de ter acesso à Internet para gerirem e consultarem as suas colecções de páginas. É uma espécie de Google Bookmarks mas onde se guardam também as páginas. Experimentem!
  • No artigo 99.9% of Websites Are Obsolete, o guru do web design Jeffrey Zeldman descreve a proliferação de web design com má qualidade e os seus problemas decorrentes. Infelizmente, o artigo é datado de 2002 e caracteriza bem o estado da web portuguesa em 2008. O autor tem também no seu blog um artigo interessante para todos os web designers 20 signs you don’t want that web design project. Alguém sentiu uma sensação de déjà vu?
  • O Google Labs lançou uma versão experimental de um motor de busca que dá prioridade nos resultados às páginas acessíveis a pessoas com dificuldades de visão.
  • O Yourwebsitevalue é um serviço que dá uma estimativa do valor monetário de um sítio web baseando-se em critérios como por exemplo a idade, popularidade e acessibilidade.
  • Uma análise de 3.5 milhões de páginas da web realizada pelo projecto MAMA da empresa Opera revelou que apenas 4,13% respeitam a especificação de formato. O estudo apresenta também números interessantes acerca da dominância de servidores web, tamanho e estrutura de documentos, utilização de Flash por país, CSS e scripts.
  • Larry Lessig: How Creativity is being strangled by the law: um video do advogado mais adorado pela comunidade da Net em que ele apresenta três histórias para fundamentar o argumento de que as leis actuais não são adequadas à realidade da Web.

  • Em 2000, Bohmann escreveu um artigo em que defendia que as barras de navegação principais eram inúteis para a usabilidade dos sites e deveriam ser abandonadas e substituídas por breadcrumbs. Embora os argumentos fossem fortes, isso nunca aconteceu. Antes pelo contrário, são raros os sítios web que não apresentam uma barra de navegação principal. Em 2007, Jakob Nielsen refere que cada vez mais a navegação através de breadcrumbs ganha popularidade em parte graças ao...Windows Vista?!

  • Uma das engenheiras responsáveis pelo Google Webmaster Central faz uma apresentação intitulada Search Friendly Development, ou seja, como fazer sítios web amigos dos motores de busca, em particular do Google.

  • O Google Timeline permite identificar informação histórica disponível da web acerca de um dado evento ou personalidade. É uma excelente ferramenta de investigação.

  • A infra-estrutura da Internet vai evoluir mais lentamente do que o uso da web. Assim sendo, é possível que grandes inovações sejam adiadas devido aos problemas da infra-estrutura de rede. Por isso, o melhor é continuarmos a criar sites optimizados para que funcionem mesmo com poucos recursos de rede.

  • Os comentários e discussões sobre os conteúdos de um site colocados pelos seus utilizadores são preciosos e enriquecedores. No entanto, há sempre quem faça mau uso de ideias boas, como por exemplo, os web spammers. Os problemas causados pelo uso inadequado da inserção de comentários aumentam com a importância do site. O New York Post partilha a sua experiência e dá conselhos sobre como moderar comentários.

  • O Conselho de Ministros aprovou uma resolução sobre requisitos de acessibilidade a pessoas com deficiência para os sites da Administração Pública (RCM 155/2007), que terão de respeitar o nível A de acessibilidade definido pela W3C.

  • Nos 3 meses anteriores a Setembro de 2007 o Google lucrou cerca de 743 milhões de euros.

  • Aprenda e ensine acerca das tecnologias e paradigmas de computação usadas no Google.

  • Não é notícia. Ou melhor, é uma notícia de 2002, em que Brewster Kahle dá uma entrevista acerca do Internet Archive. O seu entusiasmo transborda das palavras e a sua visão acerca da web e dos sistemas que sobre ela actuam tem vindo a ser comprovada ao longo dos últimos anos.

  • Este estudo da OCLC apresenta resultados acerca do acesso à informação digital por parte dos estudantes. Um aspecto interessante é que a web e os motores de busca praticamente já substituíram as bibliotecas quando se trata de pesquisar informação. Outro, é que a principal actividade substituída pelo uso da Internet é ver televisão. Estar com a família e amigos é a última actividade a ser afectada pelo uso da Internet.

  • Soluções práticas explicadas em vídeos com a duração máxima de 5 minutos: é isto que poderá encontrar no 5min.com. Poderá aprender rapidamente por exemplo, a cozinhar uma bife. Experimente usar smart player quando estiver a ver um video que o ajudará a seguir as instruções dos vídeos permitindo aumentar ou diminuir a imagem, ver em câmara lenta ou frame-a-frame.

  • Poderá um cego fazer a sua vida diária, através da utilização dos Sítios on-line portugueses?: durante 10 dias, Fernando Santos, cego irá viver exclusivamente através da web portuguesa, testando assim na prática a sua acessibilidade a pessoas com deficiência. Quais serão os resultados?

  • Acessibilidade web: Custo ou benefício: esta questão já colocada num artigo escrito pelo MAQ, é agora apresentada sob a forma de um video de aproximadamente 10 minutos acerca das questões da acessibilidade da web a pessoas com deficiência. Se tem um site não deixe de ver este filme. É interessante testemunhar que os conselhos dados no filme facilitam não só a utilização por parte de pessoas com deficiência, mas também das outras pessoas.

  • O Google continua a afinar o seu motor de busca: A empresa mais poderosa da Internet guarda bem os seus segredos. No entanto, um jornalista do New York Times passou um dia com os engenheiros de topo da empresa e escreveu este artigo que revela histórias interessantes. Amit Singhal, o responsável pelo mecanismo de ordenação dos resultados do Google, enfatiza que este usa mais de 200 tipos de informação (sinais) e que o famoso PageRank é apenas um deles.

  • Apresentação sobre o Google File System: Max Ibel, membro do Google Suiça, apresenta a arquitectura do sistema que suporta milhares de computadores ligados entre si para proporcionar os serviços do Google.

  • Lista de verificação de usabilidade para páginas web: Consiste em 87 perguntas que um web designer deve fazer acerca das suas páginas de modo a verificar a sua usabilidade. É difícil passar em todas mas vale a pena tentar.

  • SearchMash: O objectivo deste sítio é testar novas interfaces de utilização para motores de busca. Vale a pena experimentar e dar opinião aos autores.

  • Google Website Optimizer: O Google lançou em versão beta uma nova ferramenta que permite analizar se a estrutura de um site é adequada para captar novos clientes. A ideia é criar várias versões de um site e usar esta ferramenta para identificar quais os conteúdos mais interessantes e estimar qual a probabilidade dos visitantes se tornarem clientes do site. Quem quiser pode inscrever-se para ajudar o Google a testar esta nova ferramenta.

  • Google Revealed: The IT Strategy That Makes It Work: Fique a saber qual é a estratégia do Google para conseguir ganhar terreno todos os dias com novos serviços.

  • The Google Toolbar PageRank Demystified: O autor debate qual é a real importância do Page Rank na optimização de páginas para motores de busca. Provavelmente, será menos importante do que criar páginas web bem desenhadas e com conteúdos interessantes.

  • As páginas das câmaras portuguesas têm má qualidade. É um problema generalizado dos sites públicos portugueses. Em 2004 foi apresentado um estudo sobre a Usabilidade nos Sites da Administração Pública, é triste ver que pouco mudou.

  • O Google comprou o popular site de videos Youtube por 1,65 mil milhões de dólares, aproximadamente 1,31 mil milhões de euros. Depois da rede de amigos Orkut e do popular Blogger, o gigante da web decidiu investir nos videos. Melhor do que fazer, é comprar já feito. Mesmo assim o Google ainda não atingiu a dimensão da Microsoft.



 

SocialTwist Tell-a-Friend